Serotonina e Yoga: um fluxo imenso de bem estar

Temperatura corporal, ritmo cardíaco, humor, sono, apetite são todos regulados pela atuação da serotonina


Por Agnes Lutterbach


Talvez você ainda não saiba, mas já parou para pensar como a serotonina influencia sua vida? Que até mesmo a desregulação dela, ou seja, sua baixa concentração pode provocar dificuldades para dormir, ansiedade e até depressão. Esse neurotransmissor que faz a comunicação entre neurônios também é chamado de hormônio da felicidade. E não à toa, pode ser aumentado com o consumo de alimentos ricos em triptofano como o chocolate, a banana e o grão de bico, com remédios e também a prática de atividades físicas, incluindo também o yoga.


A maior parte da serotonina presente no organismo humano, cerca de 95%, é produzida no trato gastrointestinal. Desse percentual, aproximadamente 90% é sintetizado em células enteroendócrinas, um subtipo de células enterocromafins, e 10% nos neurônios entéricos. Essa 5-HT, presente no trato gastrintestinal age como um neurotransmissor das funções sensório-motoras gastrintestinais (KIM; CAMILLERI, 2000; COATES et al., 2006; GERSHON; TACK, 2007).


O yoga é capaz de fazer tantas mudanças extraordinárias e provocar um bem estar tão grande que, quem conhece, se apaixona. E foi assim que a professora de yoga Nathalia Morgana mudou da água para o vinho. Hoje aos 33 anos, começou a praticar com 14 anos por incentivo do mestre de Kung Fu, mas faz cinco anos que começou a levar a prática com mais seriedade, tanto que, se especializou para se tornar professora de yoga.


Antes de ser professora de yoga, a mineira atuava no mercado financeiro, mas decidiu mudar de profissão devido ao interesse despertado pela prática.


“O que eu mais ansiava no meu dia a dia era chegar a hora da minha aula para que eu pudesse me conectar comigo mesma, respirar e silenciar meus pensamentos. Por isso, o que mais me chamou atenção no yoga era a sensação de bem estar e completude que ela me proporcionava”, conta.




“Parei com remédios para dormir graças ao yoga”


Com a correria diária e os diversos afazeres o mundo está cada vez mais tendo a necessidade de buscar alternativas para uma mudança. O yoga tem essa capacidade de transformação , trazendo inúmeras melhorias.


“Durante o período que trabalhei no mercado financeiro tomava remédio para dormir porque sofria muito com a insônia e com a alta atividade mental. A maior mudança que o Yoga fez em minha vida foi fazer com que eu parasse com os remédios e conquistasse maior domínio sobre meus pensamentos, sentimentos e emoções”, mostra.

Existem vários estudos que mostram que o yoga ajuda na produção de serotonina, o que automaticamente diminui os níveis de estresse, ansiedade e depressão. A prática aumenta esses níveis de serotonina através de suas técnicas milenares como asanas (que são as posturas, a parte física do yoga), os pranayamas (que são técnicas de controle respiratório) e meditação (que ajuda a silenciar a mente e os pensamentos além de trazer maior clareza mental) e a serotonina também consegue modificar o organismo


“O que sabemos é que com a prática regular nosso organismo libera endorfina, dopamina e serotonina. Todos esses são hormônios que proporcionam maior sensação de bem estar, prazer, relaxamento e contentamento. Com isso os níveis de cortisol, que é o hormônio do estresse, diminui. O cortisol não é algo ruim, na verdade, na dose certa ajuda a nos manter alertas durante o dia. O que o yoga proporciona com a prática regular é o funcionamento do corpo e da mente em perfeito equilíbrio e harmonia, e a maior capacidade de gerenciar emoções”, afirma a professora.




Mente sã, corpo são


A saúde é beneficiada com a prática de yoga, e hábitos podem estar relacionados com ela para que haja maior produção de serotonina.


“Quando iniciamos a prática de yoga começamos a ter uma maior percepção de nós mesmo. É natural a partir da prática, o aluno começar a buscar hábitos mais saudáveis como uma alimentação equilibrada, contato com a natureza, dormir melhor. Tudo isso influencia e ajuda a aumentar a produção de serotonina”, acrescenta.

Em relação ao bem estar físico, mental e emocional, a serotonina ajuda nesse equilíbrio.


“Com certeza a serotonina ajuda nesse equilíbrio pois ao trabalhar um desses componentes, automaticamente influenciamos o outro. Ou seja, ao trabalhar no nível físico, influenciamos o mental e emocional, e o contrário também é verdade. Para que a serotonina seja liberada em nossa corrente sanguínea é necessário um estimulo como uma atividade prazerosa. A prática de yoga pode ser um desses estímulos”, explica.




A prática do yoga, seja de qual tipo for, proporciona a elevação da serotonina


“Não separo yoga por tipos. E yoga sendo um sistema, acho que trabalhar tipos de yoga ou técnicas isoladas não gera o mesmo benefício de quando trabalhamos o todo. Todo tipo de yoga trabalha o ser holisticamente. A prática como um todo (asanas, pranayama, relaxamento e meditação) proporciona maiores níveis de serotonina pois através dessas técnicas conseguimos trabalhar o corpo todo, melhorando a oxigenação em todo nosso sistema incluindo nosso sistema endócrino”, conclui.

Ter um encontro consigo mesmo proporciona uma nova visão sobre quem você é. Ter a possibilidade de oferecer a si mesmo novas formas de felicidade e paz interior requer uma só questão: querer. Então deseje praticar yoga, enxergue as melhorias que isso pode te proporcionar. Porque para começar hoje, basta ter essa vontade.


De acordo com Stephen Cope, que é terapeuta e diretor do Institute for Extraordinary Living no Kripalu Center for Yoga and Health em Massachusetts, o yoga também aumenta os níveis de substâncias que nos fazem sentir bem, como o GABA (Ácido gama-aminobutírico), a serotonina e a dopamina, que são responsáveis por nos sentirmos relaxados e satisfeitos. Todos esses três neurotransmissores são os principais utilizados em medicamentos que controlam o humor, como antidepressivos (por exemplo, ISRSs) e ansiolíticos (anti-ansiedade).


Lá, ele comanda um programa intitulado “O Yoga e o Cérebro”, cujas pesquisas estudam o efeito do yoga no cérebro com ressonância magnética e outras técnicas.




Leia também:






[]